20 abril 2012

Por que voltamos, afinal?




Tenho a sensação de que os amores requentados são como remendos. Elas não resistem ao tempo nem ao atrito. O que na primeira vez era novo agora tem um gosto de repetido. E há detritos que vão se acumulando a cada separação. Rancores, mágoas, coisas não ditas. Com o tempo, esse entulho cerca a cama, se espalha pelos corredores, invade a sala e a cozinha. A gente tropeça nele. Mesmo sem querer, passamos a procurar, nos olhos e nos gestos do outro, os primeiros sinais de esgotamento, que uma hora ou outra aparecem. Intuímos que é difícil evitar que um rio avance pelo caminho que já foi aberto.

Por que voltamos, afinal? 

Porque somos fracos, acho. Ao acabar um namoro ou um casamento ficamos sozinhos, temos medo. Para a maioria de nós é difícil construir relações duradouras. Quando uma coisa importante acaba, temos dificuldade em recomeçar. Estamos tomados por quem nos mandou embora. Ou estamos acostumados ao amor sem reservas do parceiro que mandamos andar. Nada que tenha essa intensidade é fácil de repor. As pessoas que aparecem não são capazes de preencher o vazio. É no meio dessa nuvem de dor e incerteza, que pode durar um tempo enorme, que ressurge o ex. E nós o abraçamos como salvação. Funciona para nos tirar do escuro, mas é um péssimo recomeço.


Texto completo  - Via: Blog Epoca - Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário